‘A Voz Suprema do Blues’, da Netflix, é um filme de (grandes) atores

‘A Voz Suprema do Blues’, da Netflix, é um filme de (grandes) atores

August Wilson (1945-2005) foi um dramaturgo afro-americano que sofreu como poucos: foi criado com um pai ausente, viu os pais se divorciarem para ir morar com a mãe e o padrasto em um bairro de classe operária branca e, depois, foram expulsos de lá com tijolos atirados pelas janelas. Esta e outras experiências o tornaram um dos maiores escritores de peças teatrais baseadas na experiência dos negros americanos do século XX.

A Voz Suprema do Blues (Ma Rainey´s Black Bottom), produzido por Denzel Washington e dirigido por George C. Wolfe para a Netflix, é a adaptação da peça homônima de Wilson baseada na vida da cantora de blues Ma Rainey (Viola Davis, de Esquadrão Suicida) quando esse estilo musical ainda se tornava conhecido nos anos 1920 e no qual as mulheres ainda eram as grandes protagonistas.

A Voz Suprema do Blues Netflix crítica filme Chadwick Boseman Viola Davis

Foto: Netflix / Divulgação

A trama de ‘A Voz Suprema do Blues’

Mulher, negra e com um talento reconhecido até mesmo pela indústria fonográfica machista, ela se impunha no estúdio de gravação porque sabia que seu empresário Irvin (Jeremy Shamos) precisava muito mais dela do que o contrário. No entanto, a “Mãe do Blues” tinha que lidar com a ascensão do trompetista Levee (Chadwick Boseman, o eterno Pantera Negra), que lhe roubava os holofotes e não dava sossego ao líder da banda interpretado por Colman Dolmingo, o Victor Strand da série Fear The Walking Dead.

Por se tratar da adaptação de uma peça teatral, o filme conta com poucas cenas externas, mas valorizadas por uma fotografia em tons amarelados que refletem a aridez não apenas do calor inclemente, mas do próprio ânimo dos personagens. Todo o restante da ação se passa dentro do estúdio de gravação, com os diálogos resumindo tudo o que os negros passaram e ainda passam hoje em dia.

A Voz Suprema do Blues crítica filme Netflix Chadwick Boseman Viola Davis

Foto: Netflix / Divulgação

Chadwick Boseman e Viola Davis impressionantes

Viola Davis, como seria de se esperar, é gigante em cena com toda a confiança que sua personagem ainda hoje inspira no meio musica, cem anos depois. Por outro lado, Boseman interpreta seu último papel com uma vivacidade surpreendente. Mesmo quando já estava em tratamento de um câncer de cólon que o levou prematuramente. São duas interpretações trágicas que muito provavelmente renderão indicações a prêmios.

A Voz Suprema do Blues, da Netflix, enfim, é um filme de atores e que só pode ser apreciado como tal. Além disso, é o último trabalho de Boseman, um ator que sempre soube dar profundidade a todos os seus personagens e que, tal qual a Ma Rainey original, se impôs com seu talento sobre a indústria cinematográfica mesmo com aquilo que já lhe consumia por dentro.

TRAILER

YouTube video

FICHA TÉCNICA

Título original: Ma Rainey’s Black Bottom
Direção:
George C. Wolfe
Elenco:
Viola Davis, Chadwick Boseman, Glynn Turman, Colman Domingo, Michael Potts
Onde assistir: Netflix
Data de estreia:
sex, 18/12/20
País: 
Estados Unidos
Gênero:
drama
Ano de produção: 
2020
Duração: 
94 minutos
Classificação: 
16 anos

9.0
saldo total
Créditos Galáticos: 9
1 user vote x 9.0
Chadwick Boseman eterno
TAGS
Compartilhe


Leia também