Animais Fantásticos Os Segredos de Dumbledore crítica do filme onde assistir elenco data de estreia

‘Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore’ é bonito visualmente. E só isso

Nathália Sorrini

|

8 de abril de 2022

O primeiro Animais Fantásticos lançado em 2016 foi um presente para todos os Potterheads. Um filme rico em criaturas mágicas que expandia o mundo bruxo era tudo que o fã precisava para matar a saudade após cinco anos do lançamento de Relíquias da Morte – Parte 2. O primeiro longa deu gás e nos deixou animados para o que viria pela frente.

O segundo filme, Os Crimes de Grindelwald, já deixou a desejar. Um roteiro fraco que parecia um capítulo de livro, personagens novos e velhos sem nenhum tipo de desenvolvimento e o título do longa foi por água abaixo, pois eram os Animais Fantásticos sem os animais fantásticos, assim como os Crimes de Grindelwald sem crime algum.

Então, após quatro anos, finalmente chega o terceiro filme da franquia intitulado de Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore (Fantastic Beasts: The Crimes of Grindelwald). Com isso, queria entender essa obsessão em intitular um filme que seu foco principal não são os animais fantásticos. Já são dois filmes com essa bagunça.

Segredos e encheção de linguiça

Por outro lado, sobre os segredos de Dumbledore, era de se esperar que alguma revelação precisava vir, até porque o segundo acaba com um gancho enorme com a família envolvida. Isso precisava ser revelado de uma maneira ou outra. Não que ela seja plausível, mas temos outro segredo de Alvo, mas absolutamente nada que um Potterhead já não saiba. Acaba que esse plot é condensado em no máximo 20 minutos e o resto? É pura encheção de linguiça.

O grande problema dessa nova franquia é que não existe alguma motivação a ser desenvolvida. Sabe aquela frase “crime ocorre, nada acontece, feijoada?”. Pois é. O filme sofre disso. Passamos duas horas assistindo Newt dançar com animais, Jacob pagando de bruxo, cenas visualmente bonitas e uma trilha sonora apelativa.

Maquiagem apelativa

Só que mesmo com todos os defeitos e problemas, existe uma grande “maquiagem” que acaba cobrindo todo o vazio de roteiro para o espectador se derreter. E ela é o quê? Claro, a apelação pela nostalgia. Todo o plot envolvendo a amada Hogwarts, com aquela trilha sonora familiar, faz com que o fã se derreta e quase te obriga a esquecer que Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore nada mais é que um grande retalho vazio.

Talvez esse terceiro filme se destaque dos outros, pois flerta com vários gêneros, tem muita piadinha, até chega a ter um romance mal desenvolvido e tem muita ação. Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore força o épico com batalhas grandiosas e um discurso político até relativamente forte. Mas até nisso a produção não consegue se sustentar por não haver nada que segura a narrativa. Como investiram pesado no CGI, fica um filme visualmente bonito. E só.

Brasil em Animais Fantásticos

Lembro quando começaram a sair boatos sobre o filme e todos os brasileiros acreditaram que Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore se passava no Brasil, ou que haveria uma representatividade brasileira muito grande. Aí, quando começou a divulgação isso ficou mais claro que haveria o Brasil, pois tem até o brasão do Ministério da Magia Brasileiro. MAS NÃO SE ILUDA! Em nenhum momento sequer faz alguma menção ao país.

Aliás, e a participação de Maria Fernanda Cândido? Todos sabem que se trata de uma atriz formidável, mas completamente mal aproveitada. Ela tem apenas uma fala durante o filme. Talvez seu plot tenha até uma certa importância, mas acaba tudo sendo descartável. PS.: Não vem botar a culpa na pandemia já que os dois filmes foram gravados em Londres e não se passam lá.

Problema da franquia Animais Fantásticos

Mads Mikkelsen faz um Grindelwald em modo automático. O ator não transmite nenhuma emoção ou faz um personagem com camadas. Mas ele não tem culpa disso e sim o roteiro mal desenvolvido. Além disso, todos os outros personagens sofrem o mesmo problema do segundo filme. Estão lá apenas por estar, visto que a roteirista não sabe desenvolver personagens. É uma pena porque Mikkelsen e Jude Law têm uma química absurda. Eu queria tanto ver um filme LGBT dos dois sendo bem explorados. Seria maravilhoso.

Em resumo, Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore sofre o mesmo problema da franquia toda: não tem história para contar. São retalhos desesperados transformados em nostalgia barata ou batalhas épicas para disfarçar que não passa de um obra ruim, mal feita, sem nenhum tipo propósito ou motivação. Entretanto, se você gostou do segundo filme, talvez goste deste também. Mas é mais uma produção vazia que não tem absolutamente nada a dizer.

Onde assistir ao filme Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore?

A saber, o filme Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore estreia na quinta-feira (14) exclusivamente nos cinemas brasileiros. Aliás, vai comprar algo na Amazon? Então apoie o ULTRAVERSO comprando pelo nosso link: https://amzn.to/3mj4gJa.

Por fim, não deixe também de acompanhar o UltraCast, o podcast do Ultraverso:

https://app.orelo.cc/uA26
https://spoti.fi/3t8giu7

Trailer do filme Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore

Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore – elenco do filme

Jude Law
Katherine Waterston
Johnny Depp
Zoë Kravitz
Mads Mikkelsen
Ezra Miller

Ficha Técnica

Título original: Fantastic Beasts: The Secrets of Dumbledore
Diretor: David Yates
Roteiro: J.K. Rowling
Duração: 134 minutos
País: Estados Unidos
Gênero: aventura
Classificação: a definir

Nathália Sorrini

Aspirante a cineasta, apaixonada por séries de tv e lufana de coração
4
Créditos Galáticos

Créditos Galáticos: 4

Livros e Quadrinhos ‘Operação Obscura’ ‘Coração Marcado’ ‘Lua de Mel com a Minha Mãe’ ‘Bubble’ ‘Rumspringa’ SEC AWARDS 2022 A Megera Domada – Crítica do Filme