‘Cavaleiro da Lua’ promete muito e entrega pouco

Fabio Martins

|

16 de maio de 2022

Após um começo promissor, com dois episódios bem interessantes como relatamos aqui, a série do ‘Cavaleiro da Lua’, infelizmente é, em suma, outra decepção das produções da Marvel lançadas exclusivamente no Disney Plus. Com apenas seis episódios e uma trama que não leva a lugar algum ela, a princípio, não se dá ao luxo nem mesmo de fazer parte de algo maior dentro do universo do estúdio. Trata-se de uma obra esquecível e totalmente indispensável para os fãs da Casa das Ideias.

E para piorar, a série desperdiça dois enormes talentos. Dois grandes atores como Oscar Isaac e Ethan Hawke, mesmo mantendo um alto padrão de atuação (principalmente o protagonista), são incapazes de salvar do fiasco uma produção com uma trama batida, diálogos simplórios e soluções que parecem terem sido imaginadas por uma criança de cinco anos.

Cavaleiro da Lua
Crédito: divulgação/Marvel Studios

A trama

A princípio, a história de Cavaleiro da Lua é centrada em Steven Grant (Isaac), funcionário da loja de souvenires de um museu egípcio que sofre de transtorno bipolar. Na verdade, ele é o alter ego de Marc Spector, um mercenário que a beira da morte aceitou se tornar o avatar do Deus egípcio Khonshu. No entanto, o antigo devoto e avatar desta divindade, Arthur Harrow (Hawke), serve agora a Deusa Ammit, que está enterrada em um lugar desconhecido por ser extremamente perigosa. Para localizá-la, Harrow precisará de um artefato que está sob os cuidados de Grant/Spector para, enfim, despertar a deusa e partir com ela para a dominação mundial.

O problema da série é que ela dá a entender que foi produzida apenas para gerar conteúdo para os assinantes da Disney Plus, sem passar por qualquer critério qualitativo. Tudo, com exceção do protagonista e do antagonista, parece feito por um piloto automático. Direção, roteiro e efeitos especiais são, em suma, regulares (para dizer o mínimo) e feitos sem  o menor cuidado. Tudo deixa a desejar e quando parece que teremos uma reviravolta interessante (como é o caso do episódio cinco) a série acaba se perdendo e ficando mais confusa ainda.

Cavaleiro da Lua
Crédito: divulgação / Marvel Studios

Perda de tempo

Se o único motivo da série for apresentar o Cavaleiro da Lua, ela poderia muito bem ser substituída por uma cena pós-credito em algum filme ou até mesmo a participação do personagem em alguma outra produção da Marvel. Da maneira que foi concebida, ela consegue ser mais insossa que a intragável série do Gavião Arqueiro e totalmente irrelevante ao universo criado pelo estúdio.

Ao flertar com o universo de super heróis e, ao mesmo tempo, com questões psicológicas, a série falha miseravelmente em ambas. E assim como a grande maioria das produções da Marvel dessa tal Fase 4, ela não te leva a lugar algum.

Onde assistir à série Cavaleiro da Lua?

A saber, Cavaleiro da Lua está disponível para assinantes da Disney Plus desde o dia 30 de março.

Aliás, vai comprar algo na Amazon? Então apoie o ULTRAVERSO comprando pelo nosso link: https://amzn.to/3mj4gJa.

Não deixe de acompanhar o UltraCast, o podcast do Ultraverso:

https://app.orelo.cc/uA26

https://spoti.fi/3t8giu7

Trailer da série Cavaleiro Da Lua, da Disney Plus

Cavaleiro da Lua (Disney Plus): elenco da série

Oscar Isaac
Ethan Hawke
May Calamawy
Gaspard Ulliel
F. Murray Abraham
Fernanda Andrade
Sofia Danu
Díana Bermudez

Ficha Técnica

Título original: Moon Knight
Criação: Doug Moench
Direção: Justin Benson, Mohamed Diab, Aaron Moorhead
Roteiro: Doug Moench, Don Perlin, Jeremy Slater
Temporada: 1
Episódios: 6
Duração: 30 minutos
País: Estados Unidos
Gênero: ação, aventura, drama, fantasia, terror
Ano: 2022
Classificação: 14 anos

Fabio Martins

Santista de Nascimento, flamenguista de coração, paulistano por opção. Jornalista, assessor de imprensa viciado em cinema, série, HQ, música, games e nerdices em geral.
1

Créditos Galáticos: 1

Livros e Quadrinhos ‘Operação Obscura’ ‘Coração Marcado’ ‘Lua de Mel com a Minha Mãe’ ‘Bubble’ ‘Rumspringa’ SEC AWARDS 2022 A Megera Domada – Crítica do Filme