Dia das Mulheres | Cinco artistas que você precisa conhecer

Dia das Mulheres | Cinco artistas que você precisa conhecer

Nesse Dia Internacional das Mulheres, o ULTRAVERSO apresenta uma seleção de artistas incríveis, que você precisa conhecer. Mais do que o elogio (muitas vezes vazio) nas redes sociais, é importante apoiar as mulheres em seus trampos. Consumir seus trabalhos é, portanto, o melhor presente nessa data tão especial.

Becca Stevens

Nascida nos Estados Unidos, Becca Stevens é quase sempre descrita como uma cantora de jazz. No entanto, basta dar uma ouvida em seu trabalho para sacar que não é bem assim. Eu costumo pensar em Becca como um Alanis da geração atual, com mais sofisticação e uma sonoridade mais variada. Antes de mais nada, trata-se de uma cantora incrível, com um alcance estupendo. Além disso, ela domina a guitarra, violão, charango, ukulele e a kora (uma espécie de arpa africana).

Becca navega tranquilamente entre o folk e o rock alternativo, sem deixar de lado a sofisticação em cada uma de suas composições. Sim, Becca é uma das compositoras mais incríveis que já ouvi nessa vida. Dentre os pontos altos de sua discografia, eu destaco o incrível Perfect Animal (2015) – que vai na linha rock alternativo de qualidade. Logo depois, a artista lançou Regina (2017), todo escrito tendo a mulher como tema central. Nesse álbum, Becca deu vazão às suas influências de folk music. Por fim, o último trabalho: WONDERBLOOM (2020), que mostra o lado mais groove da artista.

Esperanza Spalding

Esperanza é uma mulher incrível e uma artista completa. Sua formação foi, primordialmente, dentro do universo do jazz. Entretanto, os melhores momentos de sua carreira são exatamente quando ela consegue flertar com outros estilos. A baixista, cantora e compositora possui uma extensa discografia, mas vou destacar algumas obras-primas da artista. O álbum Chamber Music Society (2010) foi composto tendo como base uma formação de orquestra de câmara (daí o título). É um momento em que Esperanza abraça um componente de música clássica, sem abdicar do jazz e até mesmo do samba.

Por outro lado, em Radio Music Society (2012) ela abraça de vez o R&B e o groove. Vindo de três álbuns onde usou primordialmente o baixo acústico, dessa vez ela gravou 11 das 12 faixas utilizando um Fender Jazz Bass fretless, uma linguagem totalmente diferente. Em Emily’s D+Evolution (2016), Esperanza avançou mais um degrau e assumiu o “namoro” com o rock, transformando sua banda em um power trio. Para este trabalho, escolheu um baixo cinco cordas ativo e fretless. Enfim, uma combinação perfeita de uma compositora maravilhosa e uma instrumentista virtuosa.

Lianne La Havas

A artista britânica é uma das mais interessantes mulheres de sua geração. Nesse sentido, o que a diferencia da maioria é que suas composições orbitam a canção. Batida e outros adereços tão importantes na música pop dos dias de hoje, são secundários na trabalho da cantora e compositora. Destaco o incrível Blood (2015), escrito durante uma passagem de Lianne pela Jamaica. Em suma, o álbum tem uma linguagem muito plural, com elementos de R&B, pop e reggae, sem ser caricato em momento algum.

Nai Palm

A banda australiana Hiatus Kaiyote é uma das grandes revelações da música dos últimos anos. O quarteto foi, inclusive, indicado ao Grammy de Melhor Performance de R&B, em 2014. Quem comanda a trupe é a cantora, compositora e guitarrista Nai Palm, dotada de um timbre único. A banda mistura R&B, soul, neo soul e tudo mais de gostoso e dançante. Além disso, são apontados como referências por nomes como Kendrick Lamar, Anderson Paak e Drake. A saber, eles tem dois álbuns lançados. Tawk Tomahawk (2013) e Choose Your Weapon (2015). Acima de tudo, são duas obras-primas. Ouça sem medo de ser feliz.

Emmily Barreto e Cris Botarelli

Como a gente quer mesmo é divulgar mais o trabalho dessas mulheres incríveis, vamos com um tópico “duas em uma”. Ainda mais porque elas trabalham juntas! Emmily e Cris são a alma da banda brasileira Far From Alaska. Nenhum banda de rock brasileira conseguiu produzir um repertório tão consistente e variado quanto o FFA. Emmily é uma das minhas vocalistas preferidas e Cris, além de cantar muito bem, toca baixo, lap steel, guitarra, teclado, synths, etc. Na minha humilde opinião, o álbum Unlikely (2017) foi um dos melhores do ano em que foi lançado e não apenas no Brasil. Vale a pena escutá-lo e se viciar no som das minas.

Espero que vocês tenham curtido a lista! E, claro! Sugiram nos comentários outras artistas que vocês gostariam de ver por aqui! Se você quiser conhecer outras mulheres incríveis do mundo da música, deixo aqui minha playlist especial, só com artistas mulheres. Até a próxima!

TAGS
Compartilhe


Leia também