dia mês do orgulho lgbtqia+ filmes

Fotos: Divulgação

13 filmes para celebrar o Dia do Orgulho LGBTQIA+

Vanderlei Tenório

|

28 de junho de 2022

Para celebrar o Dia do Orgulho LGBTQIA+, o ULTRAVERSO montou uma lista com 13 filmes interessantes sobre o tema. A data tem suas origens históricas nos “eventos Stonewall”, ocorridos na noite de 28 de junho de 1969 dentro do pub Stonewall Inn, um dos pontos de encontro mais populares para pessoas da comunidade em Nova York.

Pela primeira vez, naquela noite e naquele local, homossexuais e transgêneros reagiram às difamações, batidas violentas, escárnios e prisões perpetradas diariamente pela polícia de Nova York contra eles por causa de sua orientação sexual e/ou identidade de gênero. A data de 28 de junho foi, portanto, escolhida pelo movimento global LGBTQIA+ como um dia simbólico para o caminho histórico de afirmação dos direitos humanos das pessoas da comunidade.

Leia também:

Quatro filmes para o mês do orgulho LGBTQIA+ na Watch Brasil

O ‘erro’ de nascer mulher

Day Limns, um artista ‘foda’ muito além do talento

Brenda Howard

Conhecida como a “Mãe do Orgulho”, foi Brenda Howard quem coordenou a primeira marcha do Orgulho LGBT (sigla anterior do movimento). Além de despertar a ideia de uma semana de eventos em torno do Dia do Orgulho. Esses eventos evoluíram para as celebrações LGBT anuais realizadas todo mês de junho.

Nesse sentido, todos os anos, durante o mês de junho, a comunidade LGBTQIA+ celebra de várias maneiras diferentes. Em todo o mundo, vários eventos são realizados durante este mês especial. O objetivo é reconhecer a influência que as pessoas da comunidade tiveram em todo o mundo.

Protestos, desfiles e filmes do Orgulho LGBTQIA+

O mês do orgulho LGBTQIA+ também é uma oportunidade para protestar pacificamente e aumentar a conscientização política sobre os problemas atuais enfrentados pela comunidade.

Os desfiles são uma característica proeminente do mês do Orgulho. Além disso, há muitas festas de rua, eventos comunitários, leituras de poesia, oratória, festivais de rua e sessões educacionais. Todos cobertos pela grande mídia e atraindo milhões de participantes.

Destacamos que, celebrar o Mês do Orgulho (e o Dia) é importante porque marca o início de uma grande mudança para a comunidade LGBTQIA+. Bem como as implicações sociais mais amplas. Embora as atitudes e a injustiça ainda permaneçam, percorremos um longo caminho desde os tumultos de 1969. E, continuando nessa longa tradição, continuamos a aumentar a conscientização, melhorar as atitudes da sociedade e incentivar a inclusão.

Então, para celebrar esse Dia do Orgulho LGBTQIA+, montamos uma lista com 13 filmes bem interessantes. Confira!

Filmes para comemorar o Dia do Orgulho LGBTQIA+

Priscilla, a Rainha do Deserto

“Priscilla, a Rainha do Deserto” deu a muitas pessoas o que elas não sabiam que precisavam: um filme de viagem de drag queen (isso em uma época muito conservadora). Neste clássico cult australiano de 1994, a drag queen Tick, também conhecida como Mitzi Del Bra (Hugo Weaving), é convidada por sua ex-esposa para se apresentar em um cassino do outro lado do país. Então, ele pega um ônibus – chamado Priscilla – e convida o colega drag Adam, também conhecido como Felicia Jollygoodfellow (Guy Pearce), bem como Bernadette (Terrence Stamp), uma drag queen trans que recentemente perdeu seu parceiro, para se juntar a ele. Ao longo do caminho, eles apresentam às pessoas as alegrias de assistir a um show de drags, lidam com a homofobia e descobrem que não se conhecem tão bem quanto pensavam.

Embora existam elementos de “Priscilla, a Rainha do Deserto” que parecem datados, sua mensagem de aceitação e família escolhida permanece tão relevante quanto sempre. Para mim, o filme é pura diversão. Além disso, a alegria das cenas é reconfortante (já assisti 13 vezes). Além disso, este filme nos deu um mash-up de “I Will Survive”, de Gloria Gaynor, com música indígena. Então, só por isso, ele ganha um lugar especial na minha lista de favoritos.

Antes de Anoitecer

A cinebiografia de Julian Schnabel de 2000, “Antes do Anoitecer”, apresentou ao mundo o talentoso e inesquecível Javier Bardem, que interpreta o poeta cubano Reinaldo Arenas. Baseado no livro de memórias de mesmo nome de Arenas, de 1993, o filme detalha sua vida ao descobrir sua identidade como escritor e gay na Cuba dos anos 1960 e 1970. Embora Arenas inicialmente se junte à revolução de Castro, mais tarde ele é preso pelo governo devido à sua escrita “contrarrevolucionária” e homossexualidade. Ele finalmente deixa Cuba para os EUA nos anos 80. Assim, inicia uma nova vida para si mesmo que termina abruptamente alguns anos depois, em 1990.

“Antes do Anoitecer” – indicado ao Oscar de Melhor Ator – marcou a estreia internacional de Bardem. Para muitos, este continua sendo seu melhor e mais importante trabalho até hoje. Afinal, o filme fez história a ter pela primeira vez um ator espanhol concorrendo na categoria de Melhor Ator. Ademais, a direção de Schnabel é sonhadora e poética, captando o sentido da escrita de Arenas, assim como sua complexa personalidade, que não se define por nada.

Como observa o Consenso da Crítica no Rotten Tomatoes, as “imagens do filme conseguem evocar um senso de arte do escritor, e o forte desempenho de Bardem mantém o filme unido. Finalmente, um filme biográfico bem feito”. É um longa profundamente triste, pois segue Arenas até o fim de sua vida. Mas, no final das contas, é uma representação impressionante de uma importante figura LGBTQIA+ cujo trabalho o mundo merece conhecer.

Toda Forma de Amor

O filme semiautobiográfico de 2010 de Mike Mills, “Toda Forma de Amor”, gira em torno de Oliver (Ewan McGregor), que está lidando com a dor de perder recentemente seu pai Hal (Christopher Plummer). O filme detalha como o relacionamento de Oliver e Hal muda depois que o pai se assume gay aos 75 anos. Quando Hal é diagnosticado com câncer, o filho cuida dele, enquanto também tenta cuidar de si mesmo e de seu novo relacionamento com Anna (Mélanie Laurent).

Tecendo entre flashbacks e o presente, “Toda Forma de Amor” explora o relacionamento de Oliver com seu pai através de memórias, que parecem estar tão presentes quanto quando ocorreram pela primeira vez, se não mais. Embora o próprio Oliver não seja queer, o relacionamento que ele tem com seu pai é importante e geralmente explorado na tela – doce e mutuamente amoroso. E é aquele que cresce à medida que Hal cresce em si mesmo. É um filme adorável, emocional e muitas vezes engraçado.

Além disso, o longa foi bem recebido pela crítica e, para muitos espectadores, trata-se de um dos filmes clássicos LGBTQIA+. Graças à representação não só de um homem gay mais velho (que prova que nunca é tarde demais para ser seu verdadeiro eu), mas também do relacionamento amoroso entre um pai queer e seu filho. A obra tornou Christopher Plummer o ator mais velho a ganhar o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante.

A Gaiola das Loucas

A comédia de 1996 de Mike Nichols, “A Gaiola das Loucas” – um remake de “La Cage aux folles” – Se concentra em Armand (Robin Williams), o dono da boate The Birdcage, onde seu parceiro Albert (Nathan Lane) é uma drag queen. Sua vida equilibrada é interrompida quando seu filho Val (Dan Futterman) chega em casa para dizer que está noivo de Barbara (Calista Flockhart). Ah, os pais de Barbara, que são políticos super conservadores, virão jantar para conhecer a família. Então Armand e Albert podem fingir ser heterossexuais, e também Albert pode dizer que é tio de Val?

De muitas maneiras, “A Gaiola das Loucas” é um dos clássicos filmes LGBTQIA+. É Nathan Lane, Robin Williams e Hank Azaria em shorts curtos – como não poderia ser? Mas o filme também é perturbador, já que a maior parte dele é gasto assistindo dois homens orgulhosos (três, incluindo Agador de Azaria) serem forçados a voltar ao armário por causa de seu filho envergonhado e seus sogros de direita.

Particularmente, com filmes LGBTQIA+, as histórias podem ser muito produtos de seu tempo. E muitas dessas vezes encorajaram representações queer, que são prejudiciais ou problemáticas. “A Gaiola das Loucas” é definitivamente um filme dos anos 90 e não reflete as mudanças na representação e linguagem dos anos posteriores. Mas também é longa delicioso, graças ao trabalho de potências cômicas como Williams, Lane e Azaria.

Meninos Não Choram

A diretora Kimberly Peirce estreou no cinema com o drama biográfico de 1999 “Meninos Não Choram”. Baseado em uma história real, o filme é sobre Brandon Teena (Hilary Swank), um homem trans tentando começar uma nova vida em Nebraska. Brandon conhece Lana (Chloë Sevigny), por quem se apaixona. Quando isso ocorre, a vida de Brandon cai sob a ameaça de amigos e familiares intolerantes e violentos de Lana descobrirem a verdade de sua identidade.

Na época de seu lançamento, o aclamado pela crítica “Meninos Não Choram” marcou um marco na representação de filmes LGBTQIA+. Isso porque se concentrava na vida de um homem trans e era contado da perspectiva de uma diretora lésbica. Histórias sobre homens trans são tão poucas e distantes entre os filmes convencionais que “Meninos Não Choram” ainda continua sendo talvez o filme mais conhecido sobre um personagem masculino trans. No entanto, embora o significado de “Meninos Não Choram” não possa ser exagerado, também é um produto de seu tempo. Hilary Swank ganhou um Oscar de Melhor Atriz por sua atuação como Brandon, e muitos notaram o fator complicado de uma mulher cis interpretando o personagem masculino trans mais celebrado na tela até hoje.

O Segredo de Brokeback Mountain

O drama ocidental de 2005 de Ang Lee, “O Segredo de Brokeback Mountain”, é baseado no conto de mesmo nome de Annie Proulx, de 1997. O longa conta a história de dois cowboys que se apaixonam. É 1963, e Ennis del Mar (Heath Ledger) e Jack Twist (Jake Gyllenhaal) são contratados para cuidar de um rebanho de ovelhas em Brokeback Mountain. Nesse lugar aberto e isolado, os dois se apaixonam, mas logo são forçados a sucumbir às pressões de um mundo heteronormativo.

O filme causou sensação quando foi lançado, já que muitos agarraram suas pérolas na representação explícita do amor gay no filme. No entanto, foi ridicularizado e parodiado como “o filme do cowboy gay”, que Ledger odiava em particular. Para vários espectadores queer, a relação com “O Segredo de Brokeback Mountain” é complicada.

Por um lado, o filme é uma bela e verdadeira narrativa de uma história de dois homens que se apaixonam em uma sociedade profundamente homofóbica. Por outro lado, é mais uma tragédia sobre trauma queer, e centra atores cis brancos heterossexuais nesses papéis de homens gays. De qualquer forma, continua sendo um dos clássicos filmes LGBTQIA+ para muitas pessoas, e que pode valer a pena revisitar.

Carol

O lendário diretor gay Todd Haynes dá vida a esta adaptação do romance de 1952 da lendária escritora bissexual Patricia Highsmith, “O Preço do Sal”. Ambientado durante o Natal de 1952, “Carol” conta a história de Therese (Rooney Mara), uma funcionária de uma loja de departamentos sem rumo, que conhece a elegante Carol (Cate Blanchett). As duas logo se tornam “gal amigas” enquanto embarcam em uma viagem íntima pelos EUA. Sua bolha idílica explode quando Carol é forçada a escolher entre amar Therese e manter a custódia de seu filho em sua amarga batalha de divórcio.

“Carol” recebeu elogios quase universais por seu belo estilo visual, performances estelares e narrativa emocional que se move entre o silêncio e a sensualidade. E para muitos espectadores, é particularmente revigorante ver um filme lésbico que não termina tragicamente. Na verdade, “O Preço do Sal” foi o primeiro romance lésbico com final feliz. Há uma longa história do olhar masculino sendo aplicado a histórias lésbicas, mas “Carol” se destaca graças ao material de origem vindo de uma mulher bissexual, roteiro vindo de uma lésbica e direção vinda de um homem gay. Não é preciso necessariamente se identificar pessoalmente com o material para fazê-lo, mas quando tantos filmes lésbicos são contados de uma certa perspectiva, um filme como “Carol” é importante.

Desobediência

A adaptação de 2017 de Sebastián Lelio do livro de mesmo nome de Naomi Alderman analisa o que acontece quando alguém se torna um pária em sua comunidade. Ronit (Rachel Weisz) é uma ex-judia ortodoxa, que retorna a Londres para assistir ao funeral de seu pai distante. Enquanto está em casa, ela se reconecta com Esti (Rachel McAdams), sua amiga de infância que agora é casada com seu outro amigo Dovid (Alessandro Nivola). As duas iniciam um caso, que leva a repercussões imprevistas e um profundo despertar para Esti.

“Desobediência” é baseado nas próprias experiências de Alderman de crescer na comunidade ortodoxa, onde ela discute como escrever o livro a levou a deixar sua fé. O relacionamento de Esti e Ronit leva o filme adiante. Mas, no fundo, é uma obra sobre onde você pertence, e o que acontece se o lugar onde você se encaixa não pode mais caber ao seu redor.

A Favorita

O diretor grego Yorgos Lanthimos traz sua marca registrada de humor negro para “A Favorita”, uma peça do século 18 sobre duas mulheres disputando o poder na corte da rainha. Abigail (Emma Stone) chega à corte da rainha Anne (Olivia Colman) em busca de emprego e uma ajudinha de sua prima, Sarah (Rachel Weisz). Afinal, Sarah é a favorita da rainha, que tem seu ouvido, sua aprovação e acesso à sua cama. No entanto, os dois primos logo se encontram em desacordo. Isso porque Abigail começa a tramar para empurrar Sarah para fora e ganhar o favor da rainha.

“A Favorita” contém o estilo visual marcante e humor seco de Lanthimos. Afinal, examina a dinâmica do poder neste triângulo amoroso de mulheres que estão tentando encontrar poder e liberdade em uma sociedade que não lhes permite muito. O filme é o maior sucesso crítico e financeiro do cineasta até hoje. Além disso, Olivia Colman ganhou um Oscar por seu papel (e ainda mais fãs com seu épico discurso centrado em Lady Gaga).

Não se trata de uma obra leve ou fácil, mas é um dos filmes LGBTQIA+ mais engraçados do mundo. E vale a pena pela incrível performance de Olivia Colman, assim como pelo visual de tiro de Rachel Weisz.

Moonlight – Sob a Luz do Luar

A obra-prima de 2016 do roteirista e diretor Barry Jenkins, “Moonlight” – baseada na peça de Tarrell Alvin McCraney “In Moonlight Black Boys Look Blue” – segue a vida de Chiron. Conhecemos Chiron pela primeira vez como um menino chamado “Little” (Alex Hibbert), que é sensível e muitas vezes deixado sozinho por sua mãe viciada (Naomie Harris). Ele está sob os cuidados do traficante de drogas protetor Juan (Mahershala Ali) e sua namorada de bom coração Teresa (Janelle Monae). Quando adolescente, Chiron (Ashton Sanders) luta contra o bullying, mas encontra consolo em seu amigo Kevin (Jharrel Jerome), que lhe oferece compaixão e intimidade. Finalmente, o adulto Chiron (Trevante Rhodes), que agora atende pelo nome de “Black”, se isolou do amor e da intimidade.

Enquanto muitos podem se lembrar do Oscar de Melhor Filme sendo arrancado das mãos heteronormativas de “La La Land” e dado a “Moonlight”, o momento icônico realmente ofuscou essa vitória histórica. Isso porque “Moonlight” foi o primeiro longa-metragem com um elenco todo negro – bem como o primeiro LGBTQIA+  – a ganhar Melhor Filme. Não surpreendentemente, a obra tem uma pontuação quase perfeita no Rotten Tomatoes.

Visualmente deslumbrante e poderosamente emocional, “Moonlight” oferece uma visão multifacetada da vida de um homem negro gay. O filme é tanto sobre a família escolhida como qualquer outra coisa, pois Quíron descobre amor e aceitação com sua família substituta de Juan e Theresa. Não há filme LGBTQ+ como “Moonlight”. Na verdade, não há filmes como “Moonlight”.

Cidade dos Sonhos

Mestre das sombras e do surrealismo, o filme noir de 2001 de David Lynch, “Cidade dos Sonhos”, explora a identidade e a máquina de Hollywood. Betty, de olhos arregalados (Naomi Watts), se muda para Los Angeles para se tornar atriz. Ela está hospedada na casa de sua tia enquanto sua tia está fora da cidade, mas quando chega, ela encontra Rita (Laura Elena Harring) escondida na casa. Rita não se lembra de como chegou lá. Então as duas partem para descobrir o mistério do que aconteceu com Rita em uma noite fatídica na Mulholland Drive.

No estilo típico de David Lynch, nada é o que parece em “Cidade dos Sonhos”, que requer várias visualizações para desvendar seu fio. Sua estranheza é clara, afinal Betty e Rita iniciam um relacionamento romântico. Mas é mais profundo do que isso. O longa é dividido em duas partes, pois vemos diferentes versões de Betty. Sua versão fantasiosa de si mesma e seu eu “real”, visto por outros. É essa ruptura entre fantasia e realidade que torna este filme LGBTQIA+ brilhante. Ele captura essa experiência, muitas vezes estranha, de precisar da fantasia para sobreviver e de ter o senso interior de si mesmo completamente desconectado do que é apresentado ao mundo exterior.

Filadélfia

O drama de Jonathan Demme de 1993, “Filadelfia”, foi o primeiro grande filme sobre AIDS. Andy (Tom Hanks) é um advogado que está tentando manter em segredo sua homossexualidade e seu diagnóstico de HIV em seu escritório. No entanto, quando é demitido, aparentemente do nada, ele suspeita que, na verdade, suas sexualidade e doença foram a causa disso. Então ele processa sua empresa por discriminação. Ninguém aceita o caso de Andy, até que ele conhece Joe Miller (Denzel Washington). Joe está inicialmente hesitante devido a seus próprios preconceitos homofóbicos, mas logo descobre que os dois têm mais em comum do que ele pensava. Assim, leva o caso de Andy ao tribunal.

Baseado em parte nas histórias reais dos advogados Clarence Cain e Geoffrey Bowers (de acordo com o The Washington Post), “Filadelfia” oferece uma visão emocional de como o senso de identidade e agência de um homem é negado por uma sociedade que tem medo de quem ele é. Joe aprende a superar seus medos sobre a sexualidade de Andy quando percebe que, como homem gay, Andy enfrentou discriminação da mesma forma que Joe enfrentou como homem negro. O filme foi um sucesso de bilheteria e elogiado pela crítica. Além disso, Tom Hanks ganhou um Oscar de Melhor Ator.

The Rocky Horror Picture Show

Na extravagância musical cult de Jim Sharman de 1975, “The Rocky Horror Picture Show”, o casal Brad (Barry Bostwick) e Janet (Susan Sarandon) ficam presos perto de um castelo estranho depois que seu carro quebra. Eles procuram ajuda no castelo e logo se veem envolvidos no mundo selvagem, absurdo e sem limites do Dr. Frank-N-Furter (Tim Curry), um cientista trans e bissexual, que os apresenta à sua mais nova criação: Rocky Horror (Peter Hinwood).

“Rocky Horror” não foi aclamado pela crítica quando foi lançado, mas muitos críticos mudaram de tom desde então. O longa tornou-se um fenômeno cultural, em grande parte graças às suas exibições interativas à meia-noite. É um filme LGBTQ+ divisivo, já que muitos criticaram a representação queer do filme. Particularmente no personagem do Dr. Frank-N-Furter, que pode ser visto como um estereótipo datado e ofensivo de uma pessoa trans. No entanto, outros celebraram sua representação de fluidez e liberdade sexual, bem como sua estética, estilo e campismo muito estranhos.

Aliás, está de olho em algo na Amazon? Então apoie o ULTRAVERSO comprando pelo nosso link: https://amzn.to/3mj4gJa.

Por fim, não deixe também de acompanhar o UltraCast, o podcast do ULTRAVERSO:

https://app.orelo.cc/uA26
https://spoti.fi/3t8giu7

Vanderlei Tenório

Vanderlei Tenório é colunista dos jornais Tribuna do Sertão e Gazeta Regional de Jaguariúna, dos portais 082 Notícias e JB Notícias, do Web Jornal O Estado RJ – OERJ, colaborador do portal Repórter Nordeste, da Revista Alagoana, do jornal Tribuna de Itapira e do site português Cinema7Arte, além de editor da página Cinema e Geografia. Siga o jornalista no perfil pessoal, como colunista e em Cinema e Geografia.
Livros e Quadrinhos ‘Operação Obscura’ ‘Coração Marcado’ ‘Lua de Mel com a Minha Mãe’ ‘Bubble’ ‘Rumspringa’ SEC AWARDS 2022 A Megera Domada – Crítica do Filme