Festival Queremos 2022

Fotos por Cadu Costa

Festival Queremos 2022 emociona com representatividade, espetáculos geniais e a alegria do carioca

Cadu Costa

|

31 de maio de 2022

Foi mais um final de semana de festival de música no Rio de Janeiro. Dessa vez, o local escolhido foi a Marina da Glória e toda a beleza do lugar marcou presença também com a emoção e conexão de artistas brasileiros de diversos tipos. O ULTRAVERSO esteve nessa cobertura do Festival Queremos 2022 e conta um pouco de tudo que aconteceu por lá.

Um sábado ensolarado, dia de praia e com um cenário de frente pro Pão de Açúcar, conhecido cartão postal do Rio. Nada parecia mais apropriado que um festival de música com artistas do calibre de Gilberto Gil, Emicida, Baco Exu do Blues e Kamasi Washington. E nessa terceira edição do Queremos! foi exatamente isso que vimos: espetáculos maravilhosos um atrás do outro e performances impressionantes desde a primeira apresentação em cada um dos dois palcos. Vale lembrar que o festival foi transmitido na íntegra pelo aplicativo do Amazon Music e pela Twitch.

Leia também:

Nathan Carvalho lança versão acústica de ‘Flor de Laranjeira’

Badi Assad lança ‘Eterno’, primeiro single de seu novo álbum

Maior cinema a céu aberto do mundo tem bar proprietário, vale drinque e pipoca grátis

Abertura do Festival Queremos 2022

E se de um lado, nós tínhamos a beleza do Rio de Janeiro, do outro tivemos a sonoridade afrofolk futurista da banda curitibana Tuyo abrindo o dia no Palco Rosa. O trio formado por Lio, Lay Soares e Jean Machado foi juntando o público que ainda chegava preguiçoso com músicas como “Fracasso”, “Brincadeira Mais Engraçada do Universo”, “Vidaloca” e “Tem Dias”. Essa última, em parceria com a rapper paulista Drik Barbosa, que, logo em seguida, veio abrir o Palco Verde com seus hits “Espelho”, “Liberdade” e “Inconsequente”.

Uma cantora bastante esperada era a baiana Luedji Luna. Dona de uma voz maravilhosa e que apresentou um dos melhores discos de 2020 – o genial “Bom Mesmo É Estar Debaixo D’Água” -Luedji mostrou faixas como “Tirania”, “Acalanto”, “Goteira”, “Banho de Folhas” e “Dentro Ali”. Mas nem deu tempo de se impressionar com ela pois sua conterrânea Majur começaria seu show em outro ponto apresentando seu disco Ojunifé (2021) e emocionando seu público com uma voz poderosíssima.

Pop brasileiro e atração internacional

Mas assim que caiu a noite, tudo ficou ainda mais bonito. Primeiramente com a voz doce e suave da cantora paulista Céu apresentando as canções de seu recente disco, Um Gosto de Sol (2021) e outros sucessos como “Malemolência” e “Varanda Suspensa”.

Logo depois veio a artista do momento: Marina Sena. A nova queridinha do pop cantou diversas faixas do seu primeiro disco de estúdio em carreira solo, De Primeira (2021). A artista fez uma apresentação com as caras e bocas que seu público tanto ama. “Voltei Pra Mim”, “Me Toca” e o som do momento “Por Supuesto” não faltaram, e a simpatia da cantora foi correspondida pela multidão que a aguardava.

A única atração internacional do Festival Queremos 2022 chegou quebrando tudo. O saxofonista estadunidense, um dos principais nomes do jazz atual, é um showman nato e sua banda é pesada o suficiente para hipnotizar todas as almas presentes. O brasileiro Jonathan Ferr fez uma participação na explosiva canção “Street Fighter Mas”. Brabo demais!

Gilberto Gil e Emicida: pontos altos da noite

Seria o melhor show do festival se não chegasse Ele logo após. O nosso gênio Gilberto Gil. Não importa o que digam, o homem é simplesmente imparável. Depois de um grande show no Festival Mita um final de semana antes, o cantor estava de volta com um repertório ainda melhor para o Queremos Festival 2022. Canções de Bob Marley e toda a sua fase forrozeira tropicália brasileira. Absurdo o quanto ainda nos impressionamos com esse ícone.

De volta ao Palco Rosa, um nome que há tempos está buscando seu espaço em prateleiras como a de Gilberto Gil na música brasileira. Emicida foi adentrando a noite com seu show “AmarElo” e simplesmente conduziu todas as emoções do público a patamares nunca vistos. Teve gente chorando, gritos de protesto, discursos antirracistas e, claro, muito xingamento a você sabe quem. Mas também teve celebração do amor e muitos hits como “Ordem Natural das Coisas”, “Quem Tem um Amigo (Tem Tudo)”, “Pequenas Alegrias da Vida Adulta”, “Eu Gosto Dela”, “Madagascar”, “Ismália”, “AmarElo” e “Principia” com seu necessário refrão “Tudo que nóiz tem é nóiz”.

Mal restaurado da catarse que foi Emicida e viramos a chave para o amor preto, potente, delicioso e safado de Baco Exu do Blues. O baiano abriu o seu set com “Sinto Tanta Raiva…” e diversas faixas do seu mais recente disco de estúdio, QVVJFA? (2022). “Mulheres Grandes”, “20 Ligações”, “Lágrimas”, “Me Desculpa Jay Z” levantaram o público que já demonstrava sinais de cansaço. Mas é na poderosa “Bluesman” que o amor abre brecha para o momento antirracista da apresentação.

Festival Queremos 2022: saldo muito positivo

Já com encerramento do Festival Queremos 2022 se aproximando, houve tempo para o rapper carioca BK, que focou sua participação no seu último disco de estúdio, O Líder em Movimento (2020). E com o público já disperso e contando só com os inimigos do fim, FBC & Vhoor fizeram um grande baile hip-hop-funk-mineiro-carioca e os baianos do AÀTTØØXXÁ fecharam com seu ritmo meio samba, meio pagode, meio MPB.

Muitas coisas positivas podem ser ditas do Queremos Festival 2022 e em geral tem a ver com a vibe do lugar. Apesar dos preços das coisas continuarem sendo o grande problema de QUALQUER festival, as apresentações, as conexões feitas, o público mais animado, tudo foi mais legal e divertido do que situações recentes. Num momento que ainda estamos nos acostumando à vida normal, é bom saber que ainda não perdemos a manha de se divertir até de manhã.

Aliás, está de olho em algo na Amazon? Então apoie o ULTRAVERSO comprando pelo nosso link: https://amzn.to/3mj4gJa.

Por fim, não deixe também de acompanhar o UltraCast, o podcast do ULTRAVERSO:

https://app.orelo.cc/uA26
https://spoti.fi/3t8giu7

Confira uma galeria de fotos do festival, com os cliques de Cadu Costa:

Cadu Costa

Cadu Costa era um camisa 10 campeão do Vasco da Gama nos anos 80 até ser picado por uma aranha radioativa e assumir o manto do Homem-Aranha. Pra manter sua identidade secreta, resolveu ser um astro do rock e rodar o mundo. Hoje prefere ser somente um jornalista bêbado amante de animais que ouve Paulinho da Viola e chora pelos amores vividos. Até porque está ficando velho e esse mundo nem merece mais ser salvo.
Livros e Quadrinhos ‘Operação Obscura’ ‘Coração Marcado’ ‘Lua de Mel com a Minha Mãe’ ‘Bubble’ ‘Rumspringa’ SEC AWARDS 2022 A Megera Domada – Crítica do Filme