‘GAROTA SIRIRICA’, de Lovelove6 – RESENHA

‘GAROTA SIRIRICA’, de Lovelove6 – RESENHA

Desnecessário avisar, mas pelo título, já deu pra perceber que o assunto pode ser um tanto agressivo para certos(as) leitores(as).

Entretanto, não deveria ser assim. Mas não se preocupe, a culpa não é sua. O trabalho de demolição de certos conceitos absurdos que inculcam na gente desde criança  começa agora!

Se você não se incomodou com o título lá em cima, deveria ler Garota Siririca, independente do sexo, mas logicamente, se for menina, vai rolar aquela identificação com a personagem principal, que só existe pra validar que o conhecimento autoerótico é importante e necessário SIM. Agora, se você se incomodou com a temática que a HQ aborda, se só o título já escandalizou, aí é que você tem que ter contato com esse material MERRRMO!

GAROTA SIRIRICA
Mas afinal, o que é a Garota Siririca? Uma super heroína nova???

De certa forma sim. Ainda mais se você considerar como trabalho super heroico o serviço de desconstrução no inconsciente popular a respeito desta visão medíocre e extremamente limitante da sexualidade feminina como algo sujo, impróprio, nocivo e inadequado. Esse dogma social de que a sexualidade do homem é ilimitada (pode tudo! até esporrar no pescoço de desconhecidas no ônibus! PQP, que judiciário é esse, mano… ainda não assimilei essa decisão salomônica…), mas a mulher precisa permanecer pura, casta e recatada.

Então, sim a Garota Siririca É uma super heroína, e sua luta é árdua: a busca do prazer próprio e a erradicação da ignorância a respeito do próprio corpo, a afirmação do amor próprio, de gostar de seus próprios cheiros, seu próprio gosto, ouvir suas próprias vísceras e conhecer seus ciclos. Gozar sem culpas. Essa é uma batalha inspiradora que toda garota deveria travar e vencer. O mundo seria bem menos neurótico, creio eu.

GAROTA SIRIRICA

Mas falemos de seu alter ego, a quadrinista, ilustradora e artista plástica Gabriela Masson, ou Lovelove6, ou lvlv6. Essa mana sempre teve como o foco de seu trabalho artístico a exploração da sexualidade feminina e as relações sociais de poder decorrentes desse sexismo tão grotescamente naturalizado nas bases da nossa sociedade. Gabriela começou ilustrando alguns fanzines, como o Artemis, e algumas webcomics. Inicialmente, Garota Siririca saía como uma dessas webcomics, e ilustrava as próprias aventuras masturbatórias da artista da infância à idade adulta (sim, crianças se masturbam! você não se lembra da sua mãozinha mexendo dentro da fralda????), suas descobertas com relação e este libertador contato íntimo consigo mesma, suas experimentações com brinquedos sexuais, inclusive acenando a possibilidade da cannabis sativa como mais um canal para incrementar todo esse prazer – dizem que a erva, além de ampliar a acuidade musical de quem a utiliza, tem efeitos afrodisíacos!!!

GAROTA SIRIRICA
Grant Morrison e as inspirações de Lovelove6

Lovelove6 fez tudo no estilo Grant Morrison de Traje Ficcional, ou seja: a forma com que o autor se insere dentro de sua própria obra 2D (as histórias em quadrinhos), vivenciando as situações criadas por ele(e) próprio(a). É vestir o personagem para circular dentro da paisagem fictícia, basicamente. Posteriormente a Garota Siririca deixou de ser um avatar exclusivo de sua criadora e foi ampliada para retratar experiências de outras mulheres que a autora admira. Ademais, com o tempo, ainda foi adicionada mais uma camada à HQ: O viés político da obra, o que era realmente de se esperar, visto que é uma questão social delicada, que motivou a autora a quebrar todo esse silêncio e falta de informação em relação à masturbação feminina.

Assim, após publicar diversos episódios de Garota Siririca no blog da revista Samba entre 2013 e 2015, Lovelove6 iniciou a captação de recursos via Catarse para publicar esse álbum, que reúne vários episódios da webcomic pela primeira vez em uma edição física. O resultado é uma encadernação em brochura colorida, com papel em alta gramatura. Um belo trabalho gráfico, onde atestamos que a arte de Gabriela funciona tanto no monitor quanto no papel, com sua técnica mista de grafite, canetas de diversas espessuras, o que faz com que seu traço seja bem versátil, e colorização via Photoshop. Além disso, o fato de a HQ ter conseguido ultrapassar a meta inicial de financiamento é um termômetro que indica que esse nicho tem público e é muito bom ver nossa produção independente nacional cada vez mais diversificada!!!

“A intenção de publicar a Garora Siririca é que este material desperte a curiosidade de mulheres a respeito de suas corpas*. Que façam mais amigas, mais alianças, mais quadrinhos ou quaisquer outras coisas, entre mulheres. Aumentar a representatividade, apostando na construção de um imaginário feminino feminista.”
A autora Lovelove6, na introdução do encadernado
* corpa é um termo original do lesbofeminismo latino. A intenção em seu uso é reconhecer o corpo da mulher como território político e marcar uma dissidência em relação às normas do heteropatriarcado.

A TRILHA SONORA

Destaque aqui para a trilha sonora de Garota Siririca. Isso mesmo! a banda Belicosa, composta por minha amiga Letícia Lopes, e mais Fefê, Bonnie, Prisley e Sofia. Elas compuseram uma faixa título especial para a HQ, na vibe Riot Grrrl perfeita para acompanhar a leitura do gibi. Deixa aí um gosto de quero mais. Poderia ser um EP. Ou melhor, por que não um álbum conceitual inteiro dedicado à Garota Siririca??? pensando bem, um álbum duplo! De qualquer forma, brincadeiras à parte, essa colaboração intermídias entre as manas é sempre algo que me deixa bem animado, e só acrescenta pontos de consistência à obra!

Quantos gibis você conhece por aí que têm sua própria trilha sonora???

Por fim, desencanem com o papo furado de culpa e pecado e inferno. Porém considerem isso: Masturbar-se (também) faz parte do ritual de autoconhecimento humano. Assim como lemos livros, ouvimos música, viajamos, fazemos ioga, praticamos bungee jump ou mesmo que só fiquemos sozinhos, quietos em um canto, no fim das contas, com o foco correto, tudo serve à jornada da auto descoberta. Assim, Nenhum momento é desperdiçado e tudo que vivenciamos acaba por nos construir como pessoas.

Decerto negar esse impulso é optar pelo esvaziamento de si mesmo, é não gerar o próprio conteúdo para se preencher, é, de certa forma, não desenvolver uma parte integrante de sua identidade, e, em última análise, não saber quem é. Então meu conselho pra vocês? Parem o que estão fazendo e vão bater uma. E depois disso vão ler garota siririca. Quem sabe vocês não aprendam uma coisinha ou duas…. e um grande “FODA-SE!” a quem quer cercear e fiscalizar a maneira como queremos nos relacionar com nossos próprios corpos!

“Mas no banho / Foi só me tocar / De repente / Lembrei do teu olhar”
RESENHA CEDIDA GENTILMENTE POR EDUARDO CRUZ (@EDUARDO_CRUZ_80) EM PARCERIA COM O SITE ZONA NEGATIVA.
TAGS
Compartilhe


Leia também