Jon Watts

Jon Watts, de ‘Homem-Aranha: Sem volta para casa’, deixa direção de ‘Quarteto Fantástico’

Jhone Silva

|

2 de maio de 2022

Jon Watts, cineasta que dirigiu a mais recente trilogia do Homem-Aranha nos cinemas, não será mais o diretor do novo filme do Quarteto Fantástico. De acordo com o Deadline, foi uma decisão do cineasta deixar a direção do filme. O motivo: fazer uma pausa para descansar.

 

“Fazer três filme do Homem-Aranha foi uma experiência incrível, algo que mudou minha vida. Sou eternamente grato por ter feito parte do Universo Cinematográfico Marvel por sete anos. Estou esperançoso de que trabalharemos juntos novamente e mal posso esperar para vera incrível visão do Quarteto Fantástico que vão trazer à vida”, disse Jon Watts em um comunicado ao The Hollywood Reporter.

Kevin Feige, presidente do Marvel Studios, também fez um pronunciamento: “Colaborar com Jon nos filmes do Homem-Aranha foi um verdadeiro prazer. Estávamos ansiosos para continuar a trabalhar com ele em trazer o Quarteto Fantástico ao MCU, mas entendemos e apoiamos seus motivos para deixar o cargo. Estamos otimistas que teremos a oportunidade de trabalharmos juntos novamente em algum momento”, disse ao Deadline.

Por fim, o novo filme do Quarteto Fantástico ainda não possui previsão de lançamento. No entanto, existem rumores que dizem que o longo estará em cartaz no fim do segundo semestre de 2023, para encerrar a fase quatro do MCU.

Aliás, vai comprar algo na Amazon? Então apoie o ULTRAVERSO comprando pelo nosso link: https://amzn.to/3mj4gJa.

Por fim, não deixe também de acompanhar o UltraCast, o podcast do Ultraverso:

https://app.orelo.cc/uA26
https://spoti.fi/3t8giu7

Jhone Silva

Um jovem paulistano que aproveita a boemia da maior cidade brasileira, embora prefira ficar trancado em seu quarto lendo, assistindo, escutando e jogando e fazendo arte. Mas sempre com uma qualidade duvidável, é claro.
Livros e Quadrinhos ‘Operação Obscura’ ‘Coração Marcado’ ‘Lua de Mel com a Minha Mãe’ ‘Bubble’ ‘Rumspringa’ SEC AWARDS 2022 A Megera Domada – Crítica do Filme