Karol Conká Urucum crítica do álbum 2022

Foto: Divulgação

Karol Conká se descancela do ódio em ‘Urucum’

Cadu Costa

|

2 de junho de 2022

A rapper Karol Conká, por um momento, foi a mulher mais odiada do Brasil. Ao participar do Big Brother Brasil 21, teve 99,17% de rejeição do público — a maior da história do programa. No país de Bolsonaro, é fácil encontrar respostas para essa situação. Mas ao invés de ficar caçando culpados, ela caçou sua paz e devolveu o que aprendeu em Urucum, seu último trabalho. E entendedores entenderão.

Primeiramente, Karol Conká sofreu com a rejeição do público por ser uma mulher preta. Isso é um fato. Ela teve atitudes erradas dentro da “casa mais vigiada do Braseeeel”? Teve sim. Ela é imperfeita? E daí? Quem nunca explodiu e se arrependeu? Jesus não falava um negócio sobre pecados e pedras? Então pega a visão já daí.

Leia também:

Joss Stone deixa o público em êxtase em show no Espaço Unimed

Criolo canta o Brasil mergulhado no caos em ritmo de poesia em ‘Sobre Viver’

Festival Queremos 2022 emociona público carioca

Cancelamento de Karok Conká no BBB 21

A real é que se Karol não fosse preta, seu cancelamento teria sido muito menor e talvez até chegasse mais longe no programa. Sim, ou não vamos lembrar de Marcos Harter que agrediu a campeã Emilly Araújo e ainda tentou processar a Globo por ser expulso quando se achava favorito? E que ainda tentou se eleger como político (cristão, da família, bons costumes, o pacote todo lá) por mais de uma vez? Felizmente não ganhou nem no programa nem na política. Mas seu cancelamento sequer fez um risco na sua imagem.

E o que dizer de Arthur Aguiar, por exemplo? O ator e cantor traiu a esposa um incontável número de vezes, inclusive usando o dinheiro dela para se encontrar com as amantes. Cancelamento? Claro que não. Campeão do BBB22. Fora os Felipes Prior, os Pyongs Lee, e vários “topzêras” que, cheios de bons costumes, autenticidades e processos nas costas ganharam o carinho do público.

Mas para Karol Conká não. Para ela somente o ódio. E quem esperava que viria um disco todo calcado no “me desculpe, eu amo todo mundo, me perdoem, não faço de novo”, veio, na verdade, um disco mandando quem a julgar ir procurar um novo lugar para meterem o nariz. Alguns até conhecidos, podemos assim dizer.

Urucum pega fogo

Em Urucum, quando Karol Conká avisa que vai começar o “Fuzuê”, é bom saber que ela “vai deixar inflamar”. “No fuzuê tem gente demais / E se quiser, cola em mim / Cabe mais”. E pega fogo mesmo com uma letra bem direta, uma batida trap pesadíssima num berimbau envolvente.

E já com essa primeira música de Urucum, é possível vislumbrar uma Karol Conká num processo sim, de busca de paz interior. Mas algo positivo sem ser vitimista e se desculpando por tudo. A artista tem consciência dos seus excessos, dos seus erros, mas manda você viver da sua maneira e ela da dela como diz em “Se Sai”.

Ou em “Mal Nenhum”, onde ela volta a admitir seus exageros, mas também sabe para quem apontar ao dizer “Não é sobre mim essa amargura aê”. Já em “Cê Não Pode”, outro trap pesado, com triângulo, berimbau e batuques, Karol afirma “Comigo é tudo na verdade”, “Eu sou foda, pode admitir, tem quem vaia e quem vai aplaudir” e “Comigo você não pode”.

Letras diretas em batidas poderosas

Isso é o mais legal de Urucum. São letras diretas em batidas poderosas como Karol sempre fez. Mas seu som sofreu mais influências dos ritmos brasileiros e ainda mostra um alcance vocal surpreendente. Fora que é uma terapia musical fantástica onde a artista expõe suas quatro personas: Jaque Patombá, seu lado estourado; Karoline, a de boa; a poderosa Karol Conká; e Mamasita, que já não tem muita paciência.

“No programa, dei atenção a apenas uma camada de mim e abandonei todas as outras, o que me fez chegar a tamanho desequilíbrio. Agora Karoline canta ‘Calma’ para Jaque, que canta ‘Cê não pode’ para o cancelamento. Agora sou Karoline no dia a dia, e Karol Conká quando preciso”, disse a cantora em entrevista ao documentário A Vida Depois do Tombo.

De qualquer forma, a sonoridade de Urucum retoma a ideia de seu início com samples de música brasileira aliados de arranjos eletrônicos e afrobeats. O trap atual de “Sossego” mostra bem como Karol Conká quer estar sem se importar muito com a opinião dos outros: “Eu quero tá no sossego / Empilhando meu dinheiro / Viajando o mundo inteiro / Acelerando sem freio”.

Já pro fim, três músicas feitas pré-BBB: “Por inteira, “Subida” e “Louca e sagaz”. Mas soam realmente prontas para esse disco, afinal loucura e sagacidade na subida são fundamentais para se manter inteira.

Urucum e Medusa

Por fim, uma ultima menção à Urucum sem falar da capa seria não contemplar toda a obra de Karol Conká. O trabalho, realizado pela artista Alma Negrot foi inspirado na Medusa, a sinistra figura da mitologia grega.

Para isso, Karol Conká explica: “É uma referência ao que eu causei no Brasil ano passado: a petrificação das pessoas, a paralização de um país para me eliminar num paredão; o ódio coletivo, a manada do raiva, um convite para um mergulho na intensidade. Mas agora convido o Brasil para paralisar dessa vez pra refletir e não para me odiar”.

Se ela teve êxito, não sabemos ainda. Vamos esperar o final do ano. Daquele jeito que você deve imaginar.

Aliás, está de olho em algo na Amazon? Então apoie o ULTRAVERSO comprando pelo nosso link: https://amzn.to/3mj4gJa.

Por fim, não deixe também de acompanhar o UltraCast, o podcast do ULTRAVERSO:

https://app.orelo.cc/uA26
https://spoti.fi/3t8giu7

Ouça Urucum, novo álbum de Karol Conká

Cadu Costa

Cadu Costa era um camisa 10 campeão do Vasco da Gama nos anos 80 até ser picado por uma aranha radioativa e assumir o manto do Homem-Aranha. Pra manter sua identidade secreta, resolveu ser um astro do rock e rodar o mundo. Hoje prefere ser somente um jornalista bêbado amante de animais que ouve Paulinho da Viola e chora pelos amores vividos. Até porque está ficando velho e esse mundo nem merece mais ser salvo.
5

Créditos Galáticos: 5

Livros e Quadrinhos ‘Operação Obscura’ ‘Coração Marcado’ ‘Lua de Mel com a Minha Mãe’ ‘Bubble’ ‘Rumspringa’ SEC AWARDS 2022 A Megera Domada – Crítica do Filme