LAIALEX Deliria crítica do álbum EP 2022 foto Daniel Suarti (4)

Foto: Daniel Suarti

EP ‘Deliria’, de LAIALEX, é uma “flechada certeira”

Wilson Spiler

|

29 de junho de 2022

LAIALEX, novo artista queer do pop nacional, lança seu primeiro EP Deliria acompanhado de clipe de mesmo nome, em todas as plataformas digitais. O compacto contém seis faixas que reúnem sonoridades que vão do indie eletrônico ao pop de balada. O projeto, aliás, traz como convidados artistas como Tôrta, Clara e Eva Treva, cantoras conhecidas na comunidade LGTBQIA+ em São Paulo.

Deliria, conforme o próprio LAIALEX, é um retrato de tornar-se um adulto LGBTQIA+. O autor relata o que passou nos últimos anos, entre dores, delícias, traumas e desafios. Entretanto, apesar de sentimentos ambíguos, as músicas abordam as passagens de maneira bem-humorada, mas sem fugir da sinceridade e profundidade que o tema exige. Afinal, vivemos em um país retrógrado e intolerante, no lugar onde se mata mais pessoas da comunidade LGBTQIA+.

Leia também:

Day Limns, um artista ‘foda’ muito além do talento

13 filmes para celebrar o Dia do Orgulho LGBTQIA+

Orgulho LGBTQIAP+ na cultura pop

Diversidade na vida e na música

Deliria navega por diversos gêneros musicais, mas sempre com um pé na vibe oitentista, com direito aos tão marcantes sintetizadores da década. Aliás, a própria capa do EP já denuncia onde estamos ‘pisando’. “Flecha”, faixa de abertura do disco, também dá indício da direção do som de LAIALEX, com influências claras de David Bowie, New Order e até Joy Division. O single traz uma bela reflexão sobre a solidão e os amores digitais.

As participações especiais começam em “Gelo”, em dueto com Tôrta, que vai na mesma onda dos anos 80. A sonoridade vem bem diferente em “Vinho”, que canta com Eva Treva, onde LAIALEX passeia mais pelo soul e R&B, mostrando que a diversidade não vem apenas da sua causa, mas também da música.

Essa alteração no som é ainda mais perceptível em “Duelo”, com suellen luz silva, quando LAIALEX ‘namora’ até mesmo com o carimbó. Talvez, em questão de composição, a faixa seja uma das canções mais profundas do disco, falando de descobrimento e sair da bolha.

Relato pessoal

Por outro lado, “Deliria”, que dá nome ao EP e ganhou um clipe super bem produzido, também é extremamente profunda. O vídeo, gravado no ZIG Bar, um dos maiores points da comunidade na capital paulista, relata de forma dramática um abuso vivenciado pelo próprio artista em uma casa noturna com apenas 19 anos. É uma música que volta a trabalhar o lado mais disco do cantor.

Fechando o EP Deliria, LAIALEX canta o amor e a solidão na comunidade LGBTQIA+ ou em qualquer relação que tenha um sentimento de verdade na canção “Jaqueta Jeans”, faixa que conversa até com o rock e o blues, com rompantes de Cazuza e Johnny Hooker, em uma balada das mais interessantes.

Quem é LAIALEX?

Nascido em São Paulo, LAIALEX é cantor, produtor, diretor criativo e desenvolvedor de jogos. O jovem queer encontrou nos desafios uma forma de expressar sua arte e como um processo de autoconhecimento. Gaymer, começou atuando como desenvolvedor, caminho que lhe permitiu a expressão. Mas foi na música, sua antiga paixão, que ele encontrou sua voz e seu caminho. Ao longo de sua jornada, um edital para games foi sua porta de entrada para a carreira artística.

Aliás, está de olho em algo na Amazon? Então apoie o ULTRAVERSO comprando pelo nosso link: https://amzn.to/3mj4gJa.

Por fim, não deixe também de acompanhar o UltraCast, o podcast do ULTRAVERSO:

https://app.orelo.cc/uA26
https://spoti.fi/3t8giu7

Ouça Deliria, primeiro EP de LAIALEX

Wilson Spiler

Will, para os íntimos, é jornalista, fotógrafo (ou ao menos pensa que é) e brinca na seara do marketing. Diz que toca guitarra, mas sabe mesmo é levar um Legião Urbana no violão. Gosta de filmes “cult”, mas não dispensa um bom blockbuster de super-heróis. Finge que não é nerd.. só finge… Resumindo: um charlatão.
4.5

Créditos Galáticos: 4.5

Livros e Quadrinhos ‘Operação Obscura’ ‘Coração Marcado’ ‘Lua de Mel com a Minha Mãe’ ‘Bubble’ ‘Rumspringa’ SEC AWARDS 2022 A Megera Domada – Crítica do Filme