Lola e Seus Irmãos crítica do filme francês 2018 onde assistir

Foto: Pandora Filmes / Divulgação

‘Lola e Seus Irmãos’ e o incondicional vínculo familiar

Ana Teresa Guida

|

5 de julho de 2022

O filme francês Lola e Seus Irmãos (Lola et Ses Frères) finalmente chega ao Brasil quatro anos após seu lançamento em 2018. Com direção de Jean-Paul Rouve, o longa é uma comédia dramática familiar que consegue expor com sensibilidade a vida de três irmãos muito diferentes entre si e que estão passando por grandes mudanças em suas vidas.

O irmão mais velho, Benoit (Jean-Paul Rouve), é dono de uma ótica e acaba de casar pela terceira vez com uma mulher muito mais nova que ele. Além de enfrentar problemas no trabalho com uma máquina mal calibrada, ele acaba reagindo muito mal a notícia de que vai ser pai pela primeira vez e começa uma crise em seu casamento. Pierre (José Garcia), o irmão do meio, é um engenheiro especialista em demolições, que é demitido após um erro de cálculo em uma demolição e acaba sem condições de bancar o sonho do filho Romuald (Gabriel Naccache) de estudar em Cambridge.

Já Lola (Ludivine Sagnier), a caçula e única mulher entre os irmãos, é uma advogada de divórcios que começa o filme sem rumo e acaba encontrando amor em um cliente, Zoher (Ramzy Bedia). Os três irmãos possuem uma ligação inabalável, apesar dos muitos desentendimentos, brigas e discussões, e sempre visitam juntos os túmulos dos pais. O cemitério é o local onde as melhores cenas do filme acontecem, os melhores diálogos, onde é possível ver o forte vínculo familiar entre eles e o amor que compartilham.

Leia também:

Javier Bardem arrasa (pra variar) na boa dramédia ‘O Bom Patrão’

‘Beauty’, um drama com muitas camadas

LG lança TV ‘LG OLED evo’, edição especial de Star Wars

Atuações e humor característicos

Os maiores destaques de atuação são José Garcia e Ludivine Sagnier. Ele interpreta Pierre de forma excelente, fazendo ele ser o mais interessante dos irmãos, ao mesmo que tempo é o mais difícil de gostar. Já Ludivine, traz uma sensibilidade para a personagem de Lola muito importante e é possível sentir a dor dela ao passar por um dos momentos mais difíceis de sua vida.

O humor de Lola e Seus Irmãos é muito característico do cinema francês, com muito uso de sarcasmo, momentos constrangedores e sem a utilização de piadas forçadas. Ele é mais seco e inteligente. O visual do filme é bonito, mas existe um problema na direção, no ritmo e no modo como o roteiro é construído. Certas situações se resolvem com mais facilidade e mais rapidamente do que outras, e personagens ficam perdidos na trama.

Lola e Seus Irmãos é um filme que consegue tocar em vários assuntos de uma vez sem ser pesado e até emociona um pouco. Tem seus momentos engraçados e sua beleza. Mas seu principal atributo é o modo interessante como aborda o vínculo familiar dos três personagens principais e como é especial a relação entre eles. Não importa o quanto eles briguem, o quão difícil a vida está, eles sempre vão visitar o túmulo dos pais juntos.

Onde assistir ao filme Lola e Seus Irmãos?

A saber, Lola e Seus Irmãos estreia exclusivamente nos cinemas nesta quinta-feira, 7 de julho de 2022.

Aliás, está de olho em algo na Amazon? Então apoie o ULTRAVERSO comprando pelo nosso link: https://amzn.to/3mj4gJa.

Não deixe de acompanhar o UltraCast, o podcast do ULTRAVERSO:

https://app.orelo.cc/uA26

https://spoti.fi/3t8giu7

Trailer do filme Lola e Seus Irmãos

Lola e Seus Irmãos: elenco do filme

Ludivine Sagnier
José Garcia
Jean-Paul Rouve
Ramzy Bedia
Pauline Clément

Ficha Técnica: filme Lola e Seus Irmãos

Título original: Lola et Ses Frères
Direção: Jean-Paul Rouve
Roteiro: Jean-Paul Rouve e David Foenkinos
Duração: 95 minutos
País: Estados Unidos
Gênero: drama
Ano: 2022
Classificação: 16 anos

Ana Teresa Guida

Jornalista, grande entusiasta do MCU. Buscando seu lugar no mundo com a ajuda do cinema e da cultura pop.
3

Créditos Galáticos: 3

Livros e Quadrinhos ‘Operação Obscura’ ‘Coração Marcado’ ‘Lua de Mel com a Minha Mãe’ ‘Bubble’ ‘Rumspringa’ SEC AWARDS 2022 A Megera Domada – Crítica do Filme