Ícone do site Ultraverso

Sinead O’ Connor é uma necessária profeta do caos em ‘Nothing Compares’

A cantora irlandesa Sinead O’ Connor tem uma história de vida que realmente merecia estar registrada, e o documentário Nothing Compares, dirigido pela também irlandesa Kathryn Ferguson cumpre bem este papel. E ao dizer que merecia haver um registro sobre a vida e obra de tal artista, é porque o seu valor não está somente no seu incrível talento musical, mas também e –  principalmente – pelo seu posicionamento político e luta pelos direitos humanos.

O espectador acompanha de maneira cronológica a ascensão e, digamos, “queda” da artista. Ouvimos em narração off os profissionais que trabalharam com ela, amigos e a própria cantora. O roteiro se delineia de forma circular: começa com um momento em que a cantora é apresentada e chamada ao palco e, em seguida, um forte som de vaias e gritos por uma plateia enfurecida com sua presença. Ela, então, se afasta do microfone e lança um olhar fixo para o público, que aumenta ainda mais os gritos e as vaias. A partir daí, a narrativa volta no tempo para contar sobre a vida e o início da carreira da artista, até retornar para este mesmo momento do palco.

Leia também:

Festival do Documentário Musical divulga programação: CONFIRA!

Clássicos de Fritz Lang chegam ao Filmicca na segunda quinzena de junho

Cinefantasy encerra com sucesso de público e anuncia nova edição em 2022

História pessoal de Sinead O’ Connor

Vinda de uma família que praticava um catolicismo ortodoxo, que serviu somente para traumatizá-la, em vez de lhe dar paz de espírito, o filme proporciona um mergulho na história pessoal da cantora, que sofreu terríveis abusos físicos e psicológicos de sua mãe, após ela se separar de seu pai. Ouvimos a própria cantora contar a história por trás da canção “Troy”, se referindo a um episódio de quando era criança e sua mãe a deixou do lado de fora da casa durante uma semana.

Em 1990, ela lança a música que marcaria, para sempre, sua jornada como cantora: “Nothing Compares 2 U”. Composta por Prince, a canção a alçou à patamares ainda mais elevados, ganhando inúmeros prêmios musicais. Detalhe: a música não aparece no documentário sobre Sinead O’ Connor. Isso porque, os administradores dos direitos autorais do compositor não cederam o uso da música para o filme.

Cancelada antes da ‘cultura’

O sucesso da carreira de Sinead corre em paralelo aos acontecimentos do mundo e, diferente de muitos artistas, ela nunca foi alheia a esses fatos. Mesmo com o sucesso e a fama, ela jamais deixou de lado o seu diferencial humanitário, que acabou por transformá-la numa figura rotulada como “controversa”.

Ela defendia veementemente a não criminalização do aborto, os direitos das mulheres, das pessoas negras, denunciava os abusos e pedofilias na Igreja Católica, e bateu de frente com o governo dos EUA, quando se recusou a se apresentar durante um festival, que seria executado o hino nacional americano para homenagear os soldados que estavam lutando na Guerra do Golfo.

O ápice do filme e, também da carreira da artista, é inegavelmente, quando ela rasga uma foto do então Papa João Paulo II, ao vivo, durante o programa “Saturday Night Live”. Vale lembrar que todo esse posicionamento foi feito numa época em que não existiam redes sociais, ou seja, Sinead dava literalmente a cara à tapa e sentiu na própria pele a tal cultura do cancelamento.

Profeta do caos

O mais interessante da narrativa do filme é que, ao acompanhar a cronologia dos fatos, tudo aquilo que ela dizia, e que tinha sido perversamente rechaçada, foi comprovado depois. Assim, Sinead se torna uma profeta do caos. Alguém que precisava dizer e fazer tudo aquilo que fez para abrir caminhos a toda uma geração de outros artistas que surgiriam depois disso.

E ouso dizer que, até hoje, ainda não surgiu alguém com tamanho engajamento explícito e direto pelos Direitos Humanos quanto ela. O final do documentário nos apresenta uma Sinead O’ Connor com as marcas do tempo no  rosto, usando uma linda vestimenta islâmica, religião que passou a seguir, cantando “Thank You For Hearing Me” com sua belíssima voz.

Onde assistir a Nothing Compares, documentário sobre Sinead O’ Connor?

A saber, o filme Nothing Compares, documentário sobre Sinead O’ Connor, está em cartaz no In-Edit Brasil – Festival Internacional do Documentário Musical e pode ser visto de presencial em São Paulo e online no site do evento.

Aliás, está de olho em algo na Amazon? Então apoie o ULTRAVERSO comprando pelo nosso link: https://amzn.to/3mj4gJa.

Por fim, não deixe também de acompanhar o UltraCast, o podcast do ULTRAVERSO:

https://app.orelo.cc/uA26
https://spoti.fi/3t8giu7

Trailer do documentário Nothing Compares, sobre Sinead O’ Connor

Ficha Técnica: documentário Nothing Compares

Título original do filme: Nothing Compares
Direção: Kathryn Ferguson
Roteiro: Eleanor Emptage, Kathryn Ferguson e Michael Mallie
Produção: Eleanor Emptage e Michael Mallie
Fotografia: Luke Jacobs
País: Reino Unido e Irlanda
Duração: 97 minutos
Ano: 2022
Classificação: a definir

Créditos galáticos:

Sair da versão mobile