‘Palmares’ e ‘Afro Horror’ trazem novos autores negros contra o racismo

‘Palmares’ e ‘Afro Horror’ trazem novos autores negros contra o racismo

Cada vez mais os autores negros ganham espaço na literatura nacional. Agora no final de 2020, duas edições vem com temas específicos, um deles é “AfroHorror – Medos Ancestrais”, organizado pelo escritor Alec Silva. A obra traz contos 17 histórias, de 12 escritores negros. Além da questão do terror, que passa por assassinos, monstros e misticismo, visa provocar reflexões e debates mais profundos sobre racismo, identidade, pertencimento e, claro, representatividade.

“Então, foi uma experiência. E um aprendizado. Foi uma coletânea na qual pude convidar alguns autores talentosos e trabalhar um tema que já faz barulho lá fora, o afrohorror já visto em filmes como Corra! e Nós, além de alguns livros de autores afroamericanos. Algo que até então não tinha no Brasil.”, diz Alec.

Aliás, “Afro Horror” pode ser adquirido aqui:

https://livrariadacartola.com.br/produto/afrohorror/

Posteriormente, a escritora Meg Mendes assumiu a missão de selecionar histórias escritas por autores negros brasileiros. Porém, tendo como base um local específico: o Quilombo dos Palmares. Os contos abordam as vivências e desafios da época e louvam essa ancestralidade.

Em “Palmares”, o mais famoso quilombo do Brasil é base para novas histórias (imagem: Cartola Editora)

A princípio, esse quilombo ganhou fama na era colonial brasileira, no Estado de Alagoas, e virou símbolo da resistência à escravidão. Uma outra ótima obra também fala de acontecimentos que ocorreram por lá, a HQ do professor, historiador, ilustrador, Marcelo D’Salete, Angola Janga, sobre a qual já falei anteriormente aqui.

O livro “Palmares” segue um outro caminho. “O Quilombo dos Palmares foi o maior quilombo da América Latina e chegou a reunir cerca de 20 mil habitantes. Ele foi um grande símbolo da resistência negra no Brasil.
Composta por autores negros, a antologia ‘Palmares’ traz contos que se passam no quilombo. O projeto almeja dar visibilidade para os autores contemporâneos, novos ou não, no mercado editorial.’, diz a organizadora e escritora Meg Mendes.

A saber, está à venda em campanha de financiamento aqui: https://www.catarse.me/palmares

Por fim, são duas obras que trazem novos autores da literatura nacional, contudo, com foco especial e necessário na representatividade negra. Ou seja, uma bela iniciativa.

TAGS
Compartilhe


Leia também