REVIEW | Atelier Lydie & Suelle: The Alchemists and the Mysterious Paintings

REVIEW | Atelier Lydie & Suelle: The Alchemists and the Mysterious Paintings

Atelier Lydie & Suelle: The Alchemists and the Mysterious Paintings é um título que eu já aguardava há muito tempo. O sucesso da franquia é tamanho que agora ela já tem praticamente 20 jogos no total. Particularmente, sou fascinado por J-RPG’s e todos aqui sabem disso, mas será que este aqui vale seu rico dinheirinho como dizia o Tio Patinhas?

Atelier Lydie & Suelle marca o retorno da saga após quase um ano do lançamento de Atelier Firis. Em Lydie e Suelen temos nossas duas protagonistas inicialmente em uma floresta em busca de alguns itens para trabalhar em sua alquimia. Com foco em entregar os itens solicitados por alguns aldeões em seu vilarejo, somos introduzidos a uma breve narrativa – e ao mesmo tempo tutorial – para coleta de itens. As duas irmãs conseguem alguns itens que eram necessários para criar os itens solicitados. De volta ao atelier de seu pai, recebemos mais algumas funções de tutorial a serem seguidas como poder dormir, descansar e ir até o caldeirão e aprender alquimia. Enquanto não devem descansar, também somos apresentados a como salvar o jogo, que apenas será necessário se aproximar da cômoda do quarto delas. Além de podermos realizar o save, nesta mesma cômoda, podemos trocar a trilha de fundo e também alternar entre as protagonistas. Dada essas opções, logo a seguir, temos de ir para o caldeirão e criar tudo aquilo que nos foi solicitado. Há um breve tutorial de como criar os itens. Podemos criar itens de cura, de ataque e defesa, mas também tinta de pintar. Tudo que inicialmente somos ensinados a fazer são os Healing Pads. Uma espécie de biscoito que mais parece Clube Social e podemos usar em nossa jornada para curar nossas garotinhas.

Após criar os itens solicitados, vamos conhecendo o mapa do jogo que é bastante grandinho e com tons de minimalismo. Não chega a ser um título grandioso visualmente. A praia mais parece a orla de Búzios na Rua das Pedras, aqui no Rio de Janeiro. Ao caminhar, você aproveitará para conhecer novos personagens que farão parte de sua saga no decorrer da jornada. Há uma igreja ao lado do cemitério a qual iremos passar por ela vez ou outra, seja para rezar ou falar com a irmã Graça. Após conhecer tudo isso, as garotinhas retornam à sua humilde casa e acabam desobedecendo seu pai e indo para o sótão da residência. Lá encontram uma pintura estranha com poderes mágicos. Esses poderes tragam ela para dentro da pintura. Nela, encontram um mundo fabuloso, mas, ao mesmo tempo, cheio de perigos. É onde inicia a jornada de Lydie e Suelle. Elas acabam vendo de relance uma pessoa caminhando, especificamente uma mulher que, ao meu ver, se parece muito com a mãe das duas, que aparece num quadro na sala da casa delas.

Tudo aqui é baseado em magia e, apesar de nossas encantadoras personagens inicialmente não terem praticamente poder algum, após esses acontecimentos somos apresentados a um outro tutorial que ensina alguns golpes. Ele são específicos para uma determinada área do mapa chamado de “Outskirts Map”, uma espécie de sub-mapa de vilarejos dentro da cidadela onde estamos. Lá temos de coletar alguns itens específicos simplesmente por também haver uma certa rixa entre os atelieres da cidade. Há uma competição entre eles para aumentar seus rankings e precisamos coletar itens essenciais para fazer uma alquimia melhor. No decorrer da jornada, vamos aprendendo a como deixar melhor nosso sistema de alquimia e também relações interpessoais. Não há um sistema de amizade nem nada próximo disto, mas sabemos que, de certa forma, as pessoas do vilarejo verão nossas gêmeas com outros olhos caso elas venham a ter um melhor desempenho ao criar itens através da alquimia.

Os comandos para ataque e defesa são bem básicos e há muitas cutscenes. Somos apresentados a diversos personagens que possuem ataques diferenciados. Uma das protagonistas está de posse de uma pistola que visualmente parece um “três oitão”, enquanto outra desfere golpes e magias através de um bastão. Na verdade, tirando a parte de lutas, o restante do game é quase um graphic novel, ao menos no início de nossa jornada. Para que haja uma experiência ainda mais gostosa, em aproximadamente 20 horas de gameplay, quase metade deste tempo foi gasta com cenas e diálogos que até entretêm e que, por vezes, eram demasiadamente longos. O que há de combate real são lutas contra monstros e algumas missões provindas de certas pinturas. Os cenários mudam totalmente e cada pintura é um novo mapa a ser descoberto. Também há como receber algumas missões provindas de NPC’s espalhados nos mapas e consequentemente teremos acesso a algumas habilidades após encontrarmos algumas misteriosas pinturas. Exemplo disto é quando fomos tragados pelo quadro que está no sótão da casa delas e que o pai as proíbe de ter acesso. Lá coletamos itens diversos que não existem em nossa ‘realidade’. O combate é praticamente todo feito por turnos e sua única opção de bater em algo sem que seja dessa forma será para quebrar uma rocha ou fazer com que frutos caiam da árvore ao tocá-la com seu cajado. Há alguns puzzles a serem resolvidos e boa parte deles são simples. Não há muita mufa a ser queimada, enquanto outros jogos do gênero passam longe de terem quebra-cabeças.

Os cenários são extremamente lindos mesmo que graficamente não falem tanto por si. O conjunto da obra é fascinante, pois há essa mescla de cores (como podem ver na imagem acima) e faz com que Atelier Lydie & Suelle seja no mínimo muito bonito no lado visual. Não é uma questão de gráfico em si, mas de coloração dos ambientes. Os locais macabros, por exemplo, têm um teor muito sombrio mesmo e proporcionará ao jogador medo, enquanto há outros que realmente induzem uma grata sensação ou de perigo ou de congelamento.

A sonoplastia funciona estupendamente tanto quanto o áudio das vozes, que é original em japonês. Vale destacar que Atelier Lydie & Suelle: The Alchemists and the Mysterious Paintings proporciona apenas as opções em inglês e japonês. Logo, se seu inglês ou japonês não são muito fortes ou se você não possui nenhuma afinidade com essas línguas, poderá ter problemas, visto que para aprender a alquimia das gêmeas é preciso o mínimo de leitura. Algumas frases forçaram nossa equipe a procurar pelo Google Tradutor, pois eram palavras específicas sobre alquimia e sintetismo que não conhecíamos, afinal ninguém aqui é pintor ou alquimista.

O VEREDITO

Atelier Lydie & Suelle: The Alchemists and the Mysterious Paintings conseguirá arrancar suspiros dos mais apaixonados pelo gênero e mesmo de quem não conheça a história dessas franquia. Certamente qualquer jogador ficará surpreso em tudo que o jogo lhe proporcionará, em uma experiência que pode durar cerca de 30 horas se você fizer tudo direitinho e vasculhar todo o jogo desde NPC’s até mesmo resolver certos puzzles mais complexos. Uma linda aula de alquimia e magia o aguarda.

Jogo analisado com cópia digital cedida gentilmente pela Koei Tecmo America.

TAGS
Compartilhe


Leia também