Ícone do site Ultraverso

Stromae expande diversidade de temas e ritmos em seu novo álbum ‘Multitude’

Stromae é um cantor, compositor e produtor belga que está na ativa há 22 anos. Embora o nome possa não soar familiar, definitivamente você já escutou a música mais conhecida dele por aí: “Alors on Danse”, hit do seu primeiro álbum de estúdio lançado em 2006 e chamado Cheese. Recentemente, o artista lançou Multitude, nove anos depois do álbum anterior.

Além disso, Stromae, nome artístico de Paul Van Haver, nasceu no ano de 1985 em Bruxelas (Bélgica). Sua mãe é belga, enquanto seu pai era ruandês e morreu no genocídio em Ruanda que aconteceu em 1994. A perda do pai foi mote de um novo hit do cantor, a faixa “Papaoutai” do álbum Racine Carée.

Era Multitude

Após nove anos e dois meses do lançamento de Racine Carée, Stromae lançou Multitude em 3 de março de 2022. O álbum possui 12 músicas e, segundo o cantor, levou aproximadamente três anos para ser produzido. Por isso, fizemos um track by track – música por música – do novo álbum, começando por “Invaincu” e “Santé”.

Invaincu

A primeira faixa do álbum traz uma visão interessante de persistência vinda do artista, aliando isso ao genocídio da população negra e ao racismo. Desse modo, há uma conexão também com o tempo que ficou sem trazer músicas novas. Logo, é uma forma de Stromae dizer que ainda está aqui. 

Ao mesmo tempo, musicalmente falando ele trabalhou com diversos artistas ao redor do mundo para trazer vozes múltiplas para esse trabalho. Tanto que, em tradução livre, Multitude significa multidão. Em “Invaincu”, o artista traz um coral búlgaro para a canção. 

Santé

Em seguida, temos “Santé”, que foi a primeira faixa do álbum a ser lançada. Essa traz com brilhantismo o reggaeton junto dos acordes de um charango (instrumento de cordas de origem sul-americana) tocado pelo músico argentino Juanpaio Toch

No entanto, mesmo que “Santé” soe quase como uma música de carnaval, a letra fala profundamente sobre a relação da classe trabalhadora e imigrante com a diversão, focando principalmente na libertação desses corpos. Também é um lembrete para que as pessoas  celebrem por aqueles que não podem e deveriam estar se divertindo mais. 

La Solassitude

Continuando, a próxima música é “La Solassitude”, na qual somos transportados diretamente para a China pelos acordes do Erhu, instrumento de cordas tradicional do país. Mas, nesta faixa, ele está presente justamente pela melancolia e tranquilidade que pode transmitir. 

Assim, Stromae, em Multitude, escolhe abordar o fato de que amorosamente não costumamos nos contentar com o que temos. Em tradução livre, “a vida sozinho, me fez sofrer de solidão; a vida a dois, me fez sofrer de cansaço”.

A atualidade, por Stromae

“Fils de Joie” é, particularmente, um dos pontos altos de Multitude. Além de ter um videoclipe enigmático e interessante. Agora, o artista mistura dois estilos “opostos”: a música clássica e o funk brasileiro. 

Nessa faixa, Stromae se coloca sob a ótica do filho de uma prostituta para abordar a realidade destas mulheres. A escolha por esse ponto de vista se dá justamente por ele acreditar que essas mulheres precisam ter lugar de fala. Assim, no videoclipe ele coloca o contexto de um tributo nacional para uma prostituta que faleceu.  O canto dele, se torna o discurso da ocasião: 

“Depois de tudo que ela fez por eles

Perdoe suas idiotices, oh querida mãe

Eles desumanizam você, é mais fácil

Os mesmos estão cortejando você

E todos fecham os olhos”

L’enfer

“L’enfer”, em tradução livre, Inferno é a música que aborda a saúde mental na atualidade e faz certa alusão aos altos e baixos de quem possui algum transtorno mental. Também aborda bastante a solidão e o confinamento. Inclusive, em vários momentos, Stromae cita o isolamento em suas músicas. 

Nesse sentido, o videoclipe se passa em um espaço completamente vazio, com o artista cantando e interpretando os momentos de saúde mental e falta dela. 

Pas Vraiment

Aqui, tomamos a liberdade de trocar a ordem de algumas músicas, buscando relacioná-las por temáticas que abordam. A faixa seguinte é “Pas Vraiment”, na qual somos levados a refletir sobre os relacionamentos amorosos desta época e a influência de como lidamos com as relações sociais nesse aspecto. O principal componente sonoro que evidencia a música é uma flauta de origem turca, denominada Ney.

Riez

Adiante temos “Riez”, de longe, uma das músicas mais curiosas de Multitude. O que mais chama a atenção na canção de Stromae é a presença do afropop e, novamente, a questão social que a letra aborda. 

“Riez” é um paradoxo entre as pessoas que podem sonhar ambiciosamente e as que têm como maior sonho sobreviver a uma travessia de barco e conseguir entrar legalmente em um país que não está devastado pela guerra, segundo o próprio artista. É uma das músicas do álbum completamente composta por Stromae.

“Eu, um dia, serei um grande artista, até ganharei um Grammy

Eu teria dinheiro e seria tão rico, teria até muitos amigos

Sempre escoltado pela polícia, viajarei dia e noite

Minha esposa será uma grande atriz, por que sonhar pequeno?

(…)

Se eu não sei onde vou dormir amanhã, tudo bem

Você sabe, eu estou feliz com nada, eu, desde que eu tenha os papéis

O que eu gostaria é de me alimentar, todos os dias do ano

E então, eu me pergunto se finalmente, em grande escala, eu poderia sonhar”

Os Homens, por Stromae

Contudo, seguimos para a música seguinte, “C’est que du Bonheur”. Novamente o reggaeton se faz presente e, desta vez, a temática é a paternidade. Embora Stromae já tenha trabalhado com esse assunto anteriormente em “Papaoutai”, nesse momento, ele vai além e dialoga sobre os pontos negativos de cuidar de um bebê. Além de fazer uma crítica ao abandono paterno.

Dentro de outro contexto, na canção “Mon Amour”, o artista aborda o machismo do ponto de vista do homem que trai a namorada. Mas, sempre busca justificativas, afirmando que ela é única e que não irá acontecer de novo.. No entanto, se surpreende quando a mulher o deixa. Um ponto interessante é que, sonoramente falando, temos a incorporação do funk brasileiro aqui também.

Por fim, “Déclaration” é, literalmente, uma declaração. Na canção, Stromae aborda diversas questões que afetam a vida das mulheres, desde a desigualdade salarial até a maternidade compulsória. Ao mesmo tempo que torce para que o futuro continue se mostrando cada vez mais progressista. 

Dia Ruim x Dia Bom

Stromae encerra o álbum Multitude com as faixas “Mauvaise Journée” e “Bonne Journée”. As duas músicas são complementares. Enquanto a primeira fala sobre quando se tem um dia terrível, o qual você não sente vontade de vivenciar, no entanto, você não está depressivo, somente experimentando um momento ruim; a segunda é o completo oposto, quando “lá fora está ensolarado e aqui dentro também”, em tradução livre. 

A busca de Stromae foi por retratar opostos, mas ainda assim, finalizar o Multitude com a sensação de plenitude e esperança. 

Portanto, o cantor entrega, nove anos depois do lançamento anterior, um conteúdo completo, diverso, bem pensado e espetacular. Além disso, traz novos temas e sonoridades para suas músicas, expandindo assuntos que já abordou em álbuns anteriores. 

A espera para vivenciar esse álbum valeu cada ano, e, com certeza, estaremos bem acompanhados pela era Multitude até o próximo trabalho de Stromae ser lançado. 

Aliás, vai comprar algo na Amazon? Então apoie o ULTRAVERSO comprando pelo nosso link: https://amzn.to/3mj4gJa.

Por fim, não deixe também de acompanhar o UltraCast, o podcast do Ultraverso:

https://app.orelo.cc/uA26
https://spoti.fi/3t8giu7

Ouça o álbum Multitude, do cantor Stromae

Sair da versão mobile