Klara Castanho

Foto: Dragana Gordic / Freepik

O ‘erro’ de nascer mulher

Taynna Gripp

|

27 de junho de 2022

Em carta aberta publicada na tarde de sábado (25), a atriz Klara Castanho veio a público revelar que teve uma gestação e o bebê, fruto de um estupro, foi entregue para adoção. Durante o fim de semana vários programas noticiaram e repercutiram o fato, a atriz recebeu apoio de grandes nomes da indústria televisiva e caminharemos para que em breve, tudo isso seja notícia passada.

Mas esse não é mais um texto para falar sobre Klara. Ou sobre a criança entregue. Ou tampouco sobre os abutres que expuseram uma mulher em uma situação de completa vulnerabilidade. Não é sequer sobre a estatística absurda de que uma mulher foi estuprada, em média, a cada dez minutos no Brasil em 2021, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Esse é um texto sobre como a dor da humanidade às vezes nos dilacera e nos deixa sem palavras, sobrando apenas aquele grito gutural quase animalesco que a gente tem em situações assim.

Leia também:

‘Cannabis: o Investimento do Bem’ debate a importância da maconha para fins medicinais

Orgulho LGBTQIAP+: Como lidar com o preconceito na cultura pop? – UltraCast

Karol Conká se descancela do ódio em ‘Urucum’

Ser mulher

E é difícil não sucumbir quando tudo que basta para ser notícia é ser mulher. Klara Castanho não interrompeu a gravidez, mesmo ela tendo acontecido de um ato tão inescrupuloso. A força que essa mulher de 21 anos teve eu posso afirmar que muitos não teriam. Mas à ela não cabe nenhum acerto, porque longe de ser alguém passível de compreensão, a atriz cometeu o grande erro de nascer mulher em uma sociedade patriarcal que mata mulheres e idolatra homens.

Quando escolhe o aborto, é assassina; mas se escolhe a doação legalizada, é desumana; quando escolhe não ter filhos, é egoísta. A nós, mulheres, a única escolha aceitável é o silêncio, a consternação.

Queria ter palavras suficientes para consolar Klara ou qualquer mulher que já tenha vivenciado o horror de ser invadida desse modo, mas me faltam. A mim basta a dor do universo, a dor comum que nos deixa mais desacreditados da humanidade. Afinal, se nem mesmo a empatia consegue nos humanizar, será que existe algo que consiga?

Aliás, está de olho em algo na Amazon? Então apoie o ULTRAVERSO comprando pelo nosso link: https://amzn.to/3mj4gJa.

Não deixe de acompanhar o UltraCast, o podcast do ULTRAVERSO:

https://app.orelo.cc/uA26

https://spoti.fi/3t8giu7

Taynna Gripp

Livros e Quadrinhos ‘Operação Obscura’ ‘Coração Marcado’ ‘Lua de Mel com a Minha Mãe’ ‘Bubble’ ‘Rumspringa’ SEC AWARDS 2022 A Megera Domada – Crítica do Filme